Arquivo pelo mês de "June" de 2016
Archive for June, 2016
Primeiro episódio da série de vídeos “Assuntos variados”

Assunto: Astrologia
First episode of the series of videos “Assuntos variados” (Various subjects)

Subject: Astrology

(No english captions for this so far)

 
Na noite desse último Sábado, dia 4, eu acabei não saindo, fiquei em casa até tarde, buscando aqui na internet e em meus contatos mais próximos por uma chance de sair e me divertir um pouco. Acabei ficando entediado e fui me deitar às 00:06 horas.


Eu sonhei que eu estava com o meu pai e com uma moça que eu não conheço fazendo uma visita à uma casa que me era um pouco familiar. Lembro-me vagamente de já ter estado ali antes em algum tempo distante.


Conforme foi ficando tarde, o clima foi surrealizando. Um exemplo disso é que havia uma televisão ligada e estava passando um programa humorístico famoso por aqui, e nesse momento surreal, confusamente os atores não estavam mais na televisão, eles estavam na sala conosco.


E então o anfitrião começou a agir estranho conosco como se ele estivesse pirando. E nisso eu disse ao meu pai e a essa moça para que fôssemos embora naquele instante mesmo.


Ao sair da casa, a porta da frente fechou-se atrás de mim, assim separando-nos. Eu batia na porta e gritava, e tudo o que acontecia eram batidas vinda do outro lado da porta como quem cinicamente repetia minhas batidas.


Eu então comecei a golpear a porta com o meu machado, e quando eu a pus abaixo e entrei, a sala estava negra e eu sentia muitas pessoas me olhando. Pessoas que não estavam lá quando eu estava lá dentro momentos antes. E a sensação de se estar ali era muito ruim, o que acabou fazendo com que eu acordasse.


Eu acordei sentindo-me abatido e fui conferir as horas, eram 01:55. Eu dormira muito pouco. Fiquei na cama um tempo pensando em todos os símbolos desse sonho. E o que me deixou muito preocupado, é que meu pai aqui na Terra está doente já há 20 dias.


Não consegui dormir mais de preocupação, segui a madrugada ora lendo, ora vendo vídeos para me distrair. Não consegui trabalhar pois no momento eu estou fazendo uma ilustração muito perturbadora.


Fui dormir quando já era de manhã, acordei ao final da tarde e liguei para o meu pai para ter notícias suas. E ele está muito fraco e eu dizia que ele tinha que reagir.


Hoje, Segunda-feira, dia 6, agora há pouco no sono de depois do almoço, eu tive outro sonho com o meu pai. Nós estavamos numa espécie de praça pública em uma noite clara. Uma iluminação típica de noite de Lua cheia porém com o céu nublado. Dessas que têm uma luz fraca porém vinda de todos os cantos.


Havia uma música bem tranquila no ar, algo como uma suave flauta juntamente com uma harpa.


Estávamos sozinhos ali naquela praça, sentados em um dos bancos, e entre nós parecia haver um carrinho de brinquedo o qual mexíamos nele conforme conversávamos.


Eu tentava arrumar certos pontos da estrutura desse carrinho, dizendo a ele que era preciso lutar, tal qual eu lhe disse no telefonema do dia anterior, e ele desmontava hastes da estrutura em outra parte do carro dizendo na sua forma bem humorada de sempre, que não, que dá muito trabalho, que custa muito dinheiro, que ele não tem tempo pra isso não.


Palavras muito semelhantes de quando eu era criança e pedia-lhe por um brinquedo caro. E que eu chorava, contestava e batia o pé como toda criança costuma fazer, porém ali eu não discuti com ele. Eu apenas o ouvi e continuei tentando arrumar aquele ponto da estrutura do carrinho.


E então eu acordei, e eu sentia a sua presença muito forte. Aquela música ainda tocava na minha cabeça, e conforme eu fui tomando consciência, eu percebi que independente da metáfora do sonho, havia um claro clima de despedida na nossa conversa. Eu coloquei a mão no meu rosto e confirmando minha expectativa, ele estava molhado de lágrimas. Olhei as horas, e com a imagem deformada pelo sono e pelo meu pranto, eu vi que eram precisamente 14:00 horas.


Levantei, lavei o rosto, e sentei aqui para escrever esse texto. Com muita dificuldade por estar chorando muito, eu estou o concluindo agora.


Embora eu seja bem receptivo à idéia de que seus dias possam ter chegado ao fim, eu realmente gostaria que ele ficasse um pouco mais, pois eu gostaria muito de me tornar alguém na vida antes de sua partida.


Mas quem sou eu para escrever o rumo da História? Acontecerá conforme deve acontecer.


Boa tarde a aqueles que me lêem.
.
Ás
On the last Saturday night, day 4th, I happened to not going out. I stayed at home searching here in the internet and in my most close contacts for a chance of going out and distract me a little bit. I ended by becoming bored and I went to bed at 00:06 AM.


I dreamed about my dad and some lady I don’t know and we were visiting a house that looked a little familiar to me. I vaguely remember of being there before in some distant time.


As it was getting late, the feeling in the air started to get surreal. An example of this was that there was a television on and it was passing a comedy show very famous around here, and in this surreal moment, dazedly the actors were not in the television anymore, they were in the living room among us.


And then the host started to behave strange like if he was cracking up. And in this moment I said to my dad and this lady for us to get out of there in that very moment.


When leaving the house, the front door closed itself right behind me, thus separating us. I knocked the door and yelled, and all that happened were knocks back coming from the other side of the door like if it were cynically repeating my knocks.


Then I started to hit the door with my ax, and when I put it down and got in, it was pitch black in there and I felt like a lot of people were looking at me. People that were not there moments earlier. And the feeling of being that was really bad, which happened to wake me up.


I woke up feeling myself dejected and I checked the time, it was 01:55AM. I had very short sleep. I kept in bed for a while thinking about all the symbols of this dream. And what got me really concerned is that my dad here on Earth is sick for 20 days now.


I couldn’t have more sleep due to the concern, I carried on the night by some time reading, some other time watching videos to distract me. I couldn’t work because in the moment I’m making a very disturbing illustration.


I went to sleep when it was early in the morning, I woke up by the end of the afternoon and I called my dad to have some news from him. And he is very weak and I told him he must react and fight against it.


Today, Monday, day 6th, moments ago in the post-lunch sleep, I had another dream about my dad. We were in some kind of public square in a bright night. An illumination typical of a full Moon night with cloudy sky. One of these those have a weak light but coming from all around.


There was a very soothing music in the air, something like soft flutes and harp.


We were alone on that square, sitting on a a bench, and between us there was a little car toy which we were messing with it while we talked.


I was trying to fix some points in the structure of this little car, telling him that he must fight, just like I told him by the phone on the previous day, and he was disassembling some stems from the structure in some other part of the car saying in his usual good-tempered way, that “no”, that it demands too much work, that it costs too much money, that he doesn’t have time for that.


Very similar words from when I was a child and I asked him for some expensive toy. And then I cried, and contested and stomped my feet in temper tantrum like every child use to do, however, in this moment there I didn’t argue with him. I was just listening and keeping on trying to fix that point on the structure of that little car.


So I woke up, and I was intensely feeling his presence. That music was still playing inside my head, and as I was regaining consciousness, I realized that regardless of the metaphor of the dream, there was a clear feeling of farewell in the air in that conversation. I put my hand on my face and confirming what I expected, it was wet from tears. I checked the time, and with a very deformed image by sleepy and crying eyes, I saw it was precisely 02:00PM.


I got up, washed my face, and I seated here to write this text. With some difficulty for crying a lot, I am concluding it now.


Although I am very receptive to the idea of his days might have been coming to an end, I really wish he could stay a little longer, because I would like a lot if I could become someone in life before his departure.


But who am I do write the course of History? I will happen as it is suppose to happen.


Good afternoon to those who read me.
.
Ace
 
Mês de Junho está chegando e com ele chegará o meu 12º aniversário de solteiro.


Hora de comemorar o tanto que eu sou incompetente aos olhos das mulheres, o tanto que eu sou rancoroso e não consigo perdoar, o tanto que eu sou fraco e nunca mais consegui superar o tormento que sinto desde esse episódio da minha vida de forma que eu nunca mais consegui confiar e portanto ser feliz com mulher alguma.


Hora também de relembrar que quando eu a presenteei pelo dia dos namorados em 12 de junho de 2004, ela me retribuiu por me trocar por outro. E eis aí a origem da minha dificuldade em presentear mulheres que eu gosto desde então.


Toda vez que eu consigo presentear uma mulher é porque eu não tinha interesse nela, ou se outrora tive, o meu gesto em presenteá-la é a prova de que eu abri mão de meu desejo por ela. No meu íntimo é um conflito muito grande pois eu estou assumindo minha incompetência na tarefa de ser homem o bastante para ela.


Sou pouco compreendido, e frequëntemente criticado pela minha maneira de me expressar quando falo de mulheres. Uns dizem que eu hiperestimo demais as mulheres, dou valor demais e isso é justamente o que as afasta de mim, pois eu passo a idéia pelos meus textos de ser um cara meio ‘puxa-saco’ ou que eu seria o namorado do tipo ‘meloso’; Outros dizem que segurança é a pedra-chave para se conquistar mulheres, que quando não se tem tal segurança, devemos fingir.


Ao ver a quantidade de homens babacas e falsos “se dando bem” por “jogarem”, “contarem vantagem” e “mentirem” que eu vejo por aí, é assustadora. E confesso que já tentei algumas vezes, exceto a parte da mentira, e sinceramente eu não consegui. Isso não é para mim. Eu continuo preso a idéia de que se eu mentir para conquistar uma esposa, eu viveria um casamento de mentira.


A aqueles que me seguem, eu peço perdão pela minha redundância e agradeço pela paciência de ainda estarem me seguindo, me dando atenção e me lendo. E um recado a aqueles outros que não entendem essa minha redundância, eu quero dizer que nem eu ao certo entendi até agora, mas uma explicação provisória que eu posso dar é que: Eu sou alguém que já vi e entendi por “A + B” que eu não sou o tipo de homem que namora ou que se casa. Quando não é por causa das escolhas delas, é por causa dos meus fantasmas por conseqüência de meus traumas, que não me deixam mais acreditar; Mas “ver e entender” não é o mesmo que “aceitar”!


Esse é o motivo que volta e meia eu estou voltando nesse assunto, que não é exatamente “para o mundo” através de textões em Facebook ou nos meus sites e blogues, é um assunto que é para mim!!! Eu escrevo e “me exponho” em 1% desses conflitos internos que eu tenho.


Então se vós estais cansados de me ler sempre batendo nessa mesma tecla, vós podeis ter uma idéia do quão cansado eu estou de sempre estar batendo nessa tecla todos os dias quando eu vou dormir, ou que passo muito tempo sozinho. Eu sempre estou trabalhando em alguma coisa, pois foi a única maneira que eu encontrei de fazer a minha mente “mudar de assunto”.


Eu espero poder sair desse ciclo vicioso que sempre me leva a um vórtice de negatividade SEM PRECISAR do auxílio de drogas!


Eu rezo quase todas as noites para que eu seja uma pessoa normal. Que eu possa sorrir como uma pessoa normal. Que eu possa ter uma namorada como uma pessoa normal e que eu possa transar como uma pessoa normal.


Mas até agora, tudo o que eu percebo, é que esse direito me foi negado.


Boa noite e obrigado mais uma vez para quem me atura, ainda que virtualmente.
.
Ás
The month of June is arriving and along with it, my 12th anniversary for being single also will come.


Time to celebrate how much of incompetence I am to the women’s eyes, how much resentful I am and not being able to forgive, how much of weak I am and never could get over the torment I feel since this episode of my life in a manner that I was never able to any longer trust and therefore to be happy with any woman.


It is also time to remember that when I gave her a gift for the “Betrothed’s day” in June 12, 2004 (our equivalent of “Valentine’s day” here), she gifted me back by leaving me for another man. And hence the origin of my difficulty in gifting women I like since then.


Every time I can get to give some gift to a woman, it is because I had no interest in her, or if once I had, my gesture in gifting her is the proof that I gave up on my desire for her. Deep inside of me, it is a big conflict because I am admitting my incompetence in the task of being man enough for her.


I am misunderstood, and often criticized for my way of expressing myself when I speak about women. Some say I overestimate women too much, I overrate them and this is precisely what scares them away from me, because I pass the idea in my texts of being a kind of guy a little like a “yes-man” or that I would be the “sticky” kind of boyfriend; Others say that security is the key-stone to conquer women, and that when we don’t have such security, we must fake it.


Seeing the amount of jerk and fake men “making it” by “playing”, “telling advantages” and “lying” that I see out there, is haunting. And I confess that I’ve tried it some times, except for the part of lying, and honestly I couldn’t do it. This is not for me. I keep on lock to the idea that if I lied to get a wife, I would be living a fictitious marriage.


To those who follow me, I apology for my redundancy and I thank them for their patience of still being following me, giving me attention and reading me. And a message to those other ones who don’t understand this redundancy of mine, I want to say that not even me understand it so far, but an temporary explanation that I can give is that: I am someone who has seen and understood for “A + B” that I am not the kind of man who dates or gets married. When it is not because of the women’s choices, it is because of my ghosts those which are consequence of my traumas, that don’t let me believe anymore; But “seeing and understanding” are not the same as “accepting”!


This is the reason that time and time again I am returning to this subject, that it is not exactly “to the world” through huge texts in Facebook or in my sites and blogs, it is a subject to me!!! I write and “expose myself” in 1% of these inner conflicts I have.


So if ye are tired of reading me always hitting this key, ye may have an idea of how tired I am of always hitting this key every night when I go to sleep, or spend too much time by myself. I am always working on something, because it was the only way I’ve found of making my mind to “change the subject”.


I hope I can get out of this vicious cycle that always brings me into this vortex of negativity WITHOUT NEEDING the help of the drugs!


I pray almost every night for becoming a normal person. For smiling like a normal person. For having a girlfriend like a normal person and that I can have sex like a normal person.


But until now, all I realize, is that this right for me has been denied.


Good night and thanks again to those who stand by me, even if only virtually.
.
Ace